O Efeito Setembro – Você deve se preocupar?

  • O Efeito de Setembro sugere que as ações têm seu pior desempenho em setembro
  • A teoria é de certa forma tênue, apoiada pelo desempenho passado
  • O desempenho histórico do Bitcoin em Septembers, que já passou por uma fase de transição, alimenta a sugestão de que ele não é imune.

O Efeito Setembro não é apenas um conto de velhas esposas, ou melhor, é, mas não é um conto apenas abraçado por velhas esposas. A teoria do Efeito Setembro diz que setembro é tradicionalmente o mês em que as ações têm o pior desempenho, e é apoiado por estatísticas sobre o assunto. Sendo a Bitcoin Up um mercado muito diferente das ações tradicionais, será que ela sucumbe ao mesmo mal-estar de setembro? A resposta pode surpreendê-lo.

O que é o Efeito Setembro?

O Efeito Setembro foi assim denominado porque, de acordo com a Bíblia dos comerciantes O Almanaque do Trader de Ações, em média, setembro é o mês em que os três principais índices do mercado acionário, o Dow Jones Industrial Average (DJIA), o S&P 500 e o Nasdaq, geralmente apresentam os mais pobres. Isto não é ficção – o idioma é apoiado por mais de cem anos de dados – embora o número de comerciantes que o subscrevem atualmente seja desconhecido.

As razões do Efeito Setembro ainda são uma questão de conjectura, com alguns analistas considerando que o efeito negativo sobre os mercados é devido ao viés de comportamento sazonal, já que os investidores mudam suas carteiras no final do verão a fim de fazer dinheiro. Outros sugerem que os fundos mútuos depositam dinheiro em suas participações neste momento para colher prejuízos fiscais.

A Bitcoin é Susceptível?

Qualquer que seja o motivo, o Efeito Setembro existe, ou certamente tem até este ponto. A grande questão para os comerciantes de Bitcoin, entretanto, é se os mercados de moedas criptográficas são suscetíveis aos mesmos caprichos sazonais. Se você é um crente nos gráficos não atribuídos do Twitter, a resposta é sim:

O gráfico acima sugere que Bitcoin de fato experimenta os menores retornos em setembro, com janeiro e junho ficando para trás, embora sem nenhuma fonte citada não possamos ter certeza de sua legitimidade.

Uma verificação grosseira do desempenho da Bitcoin nos últimos cinco anos de preços sugere, no entanto, que o gráfico pode estar certo afinal – desde 2015, apenas uma vez no mês de setembro a Bitcoin encerrou o mês mais alto do que onde ela começou.

Em todos os outros anos, inclusive durante a corrida de 2017, a Bitcoin havia terminado o mês de setembro mais baixo do que o ponto de partida. O Efeito Setembro está, ao que parece, vivo e de pontapés no que diz respeito à Bitcoin.

Faça dessas estatísticas muito rudes o que quiser, mas provavelmente não é o movimento mais sábio para basear sua filosofia comercial em padrões vagos que remontam aos mercados de ações da primeira era da guerra mundial.